quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

O que é essa intensidade?
Uma paixão que arde
que leva ao extremo
qualquer atitude
qualquer paixão
qualquer ódio, desamor ou mágoa!

Se bate a saudade,
cruzo milhas de impaciência!
Se dá uma agonia,
bato o pé, faço bico,
até que aquiete essa coisa que sei-lá-como o universo
insiste em fazer comigo!

Minhas desconstruções
são demolições!
Carandirus indo ao chão
Levantando poeira,
fazendo barulho!

Acelero processos
e volto atrás se achar que devo
Mas se for pra voltar
que seja logo!

E o foda é se a poeira me cega
E confundo encanto com paixão
tédio com desamor
ira com desistência!

Alguém me cure!
Se for TPM, enxaqueca, verme, não sei!
Porque ir de 0km a 300 de uma vez
é divertido mas cansa!

- O que cansa mesmo é desacelerar -

Ah! Alguém me cure!
Ou me adoeça de novo!
Mas não deixe que me convençam
Não me deixe acreditar
que o amor é outra construção social.

Porque esse Carandiru eu não quero derrubar.

4 comentários:

potô disse...

algo bem pessoal, foi vc q fez? Um dia me disseram q nem sempre tansformações são boas, mas acredito q muitas delas acontecem para o nosso bem. Gostei do que escreveu. Parabéns por seus varios caminhos artistico. Saiba q te amo muito e p/ sempre.

Sheryda Lopes disse...

Fui eu sim! Acredito no poder das mudanças e na capacidade de mudar, mas sempre respitando a si e aos outros. Sempre respeitando os próprios sentimentos e o das outras pessoas.
Muito obrigada pelos elogios, meu amor! Também te amo!

Lídia Rodrigues disse...

Adorei esse poema... Posso copiar pro meu blog colocando as referencias???

Sheryda Lopes disse...

Claro que pode, minha linda! Será uma honra!